Segurança colaborativa chega a Manaus
09 Jan

Segurança colaborativa chega a Manaus

Luciano Tags Dicas

Via: Revista Segurança Eletrônica

Câmeras de empresas privadas integradas ao sistema de comando da polícia colaboram com a segurança e monitoramento das ruas da capital amazonense

Por Fernanda Ferreira

A cada nove minutos uma pessoa é morta violentamente no Brasil. Somente em 2015, foram registradas 58.492 mortes violentas intencionais, o que inclui vítimas de homicídios dolosos, de latrocínios, lesões corporais seguidas de morte e mortes decorrentes de intervenções policiais. A situação fica ainda pior se comparar aos índices da Guerra na Síria. Segundo dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2016, entre 2011 e 2015, 256 mil pessoas morreram na Guerra na Síria contra 279 mil mortes registradas no Brasil no mesmo período.

A cidade de Manaus, no Amazonas, não fica para trás quando a questão é violência. Em 2016, o município ficou na 23ª posição como a cidade mais violenta do mundo, segundo ranking internacional do Conselho Cidadão para a Segurança Pública e a Justiça Penal. Somente em homicídios, a capital amazonense registrou um aumento 145,7% entre 2005 e 2015, passando de 599 assassinatos para 1472, de acordo com estudo divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Em um cenário com tanta violência, criar programas que buscam aumentar a segurança pública é primordial. Estratégias como unir o setor público e privado, incluir a sociedade em projetos de segurança, pensar em ações públicas para reduzir o clima de insegurança, são algumas ações que podem contribuir para um ambiente mais protegido.

O projeto Luz Azul é um desses exemplos, que utiliza uma parceria entre o setor público e privado para aumentar a segurança das cidades. As câmeras de monitoramento de comércios, residências, empresas e indústrias são integradas com o sistema de segurança da polícia, dessa forma, as autorizadas conseguem ter acesso as imagens e proporcionar maior segurança para a população. Um sistema de identificação das zonas seguras, através de luzes azuis e placas de identificação, também são recursos utilizados para informar a população quais são as áreas com maior proteção.

Em Manaus, o projeto foi implantado por meio da parceria entre a Genetec e a Associação Brasileira de Consultores e Empresários de Segurança (Abraces.net). A Abraces realiza toda a operação do programa na cidade, intermediando a integração das imagens das câmeras privadas com o Centro Integrado de Operações de Segurança (CIOPS) e o Centro Integrado de Comando e Controle (CICC), ambos ligados à Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM).

“O usuário privado, como posto de gasolina, indústria, escola, igreja, padaria, compra a câmera de um dos nossos integradores parceiros, esse integrador instala o equipamento e é responsável por fazer a manutenção periodicamente. As imagens captadas pelas câmeras são integradas com as plataformas Security Center e Stratocast da Genetec, e a Abraces disponibiliza de forma criptografada essas imagens para o comando da Polícia”, explicou Zuldimar Oliveira, consultor de segurança privada e presidente da Abraces. “O cliente tem acesso as imagens da sua câmera, não podendo acessar as gravações de outros equipamentos, porque isso tornaria todo o sistema vulnerável. Apenas a Abraces e a Secretaria de Segurança Pública tem acesso as imagens de todas as câmeras”.

Para conseguir aplicar o projeto na cidade, Zuldimar realizou um acordo de cooperação com o governo e firmou parcerias com diversas associações e companhias de segurança eletrônica e telecomunicação. Atualmente as empresas Eyes Nwhere Sistemas Inteligentes de Imagem Ltda, Negreiros Instalações, Safeness, Excel Segurança Eletronica Ltda e Programas Sociais da Amazônia – Prosam e Patronal Serviços, são os integradores parceiros que realizam a instalação dos sistemas de segurança de Manaus. É por meio dessas empresas que os cidadãos podem contratar o serviço de segurança e integrar suas câmeras com o sistema de segurança pública.

“Nesse projeto todos ganham, o setor privado terá um ambiente mais seguro devido ao sistema de segurança instalado em seu estabelecimento comercial, o que pode aumentar o fluxo de pessoas no local e consequentemente as vendas, e o setor público terá acesso a milhares de câmeras, sem custo, utilizando o software de monitoramento Security Center e a plataforma de armazenamento em nuvem Stratocast, ambos da Genetec”, disse Denis Côté, country manager da Genetec Brasil.

O projeto está ativo a apenas três meses na capital amazonense e já conseguiu integrar 10% da capacidade do sistema público. O objetivo da Abraces é instalar mil câmeras até o final de 2018.

“O Zuldimar criou a Associação, articulou com as forças de segurança púbica, com os integradores e com os comerciantes, mesmo não sendo uma pessoa da área de segurança há muito tempo, e está conquistando ótimos resultados. Isso só prova que se alguém quiser que o projeto Luz Azul se torna uma realidade na sua cidade, consegue fazer acontecer”, falou Côté.

Tecnologia das soluções

Para participar do Luz Azul é preciso adquirir uma câmera com resolução mínima de 720 pixels com gravação a 30 quadros por segundo (fps). Não é preciso uma largura de banda alta para realizar o upload dos vídeos gravados e as imagens permanecem armazenadas no sistema por um período de sete dias, podendo também ser acessada em tempo real de qualquer lugar do mundo.

Os interessados em aplicar o projeto Luz Azul em Manaus precisam também se filiar à Abraces e contratar uma das empresas integradoras parceiras. Mais informações pelo site www.abraces.net.

script_footer